• BLOG ENTRETANTO •

RENATO ZUPO

RENATO ZUPO

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

VACINACAO COVID

Vacinação trôpega

ENTRETANTO

A imunização é uma microcontaminação. Só nos contaminando iremos nos livrar do vírus da Covid 19, seja esta contaminação proveniente do contato social ou da vacinação. O que importa é que a contaminação das ruas seja gradual, porque se as pessoas pegarem Covid em massa haverá caos na saúde e mortes desnecessárias.  O que poderia facilitar muito a nossa vida seria uma vacinação mais eficiente, rápida, atingindo camadas diferentes da população ao mesmo tempo. Ainda que a CORONAVAC não seja essa coca cola toda de vacina, já dá uma imunizada razoável e impede casos graves da doença se alastrando.  Só que não nos preparamos e nem contingenciamos os imunizantes ou sua matéria prima, os insumos, como deveríamos. Uma grande parcela do governo perdeu tempo discutindo se a vacina chinesa seria ou não eficaz, ou quem seria o “pai” da Coronavac: Dória ou o Butantan. Também perdemos tempo com procedimentos burocráticos desnecessários para validar o uso de outras vacinas, como a Sputnik russa, no país. Quantas vidas poderiam ter sido poupadas com mais celeridade?

Perigosos precedentes.
A Constituição Federal só exige que os candidatos à vaga no Supremo Tribunal Federal tenham notável saber jurídico e reputação ilibada. Sequer precisam ser juízes de carreira, membros do Ministério Público ou advogados. Eros Grau era professor, bem como o finado Carlos Alberto Menezes Direito.  Dos atuais, confira: Barroso era advogado, Gilmar Mendes procurador do Estado, Fux e Lewandowski desembargadores, Rosa Weber e Marco Aurélio juízes do trabalho, Toffoli advogado geral da União e antes disso procurador fazendário, Carmem Lúcia professora e procuradora do estado, Facchin advogado, Alexandre de Moraes ex-promotor que abandonou o MP para se dedicar à política e literatura, Kassio Nunes era desembargador federal. Ufa: eis os onze supremos. A maioria deles com nenhuma experiência anterior na magistratura. Tivessem-na, não criariam os perigosos precedentes que vem criando. Instauraram inquérito para apurar o crime de Fake News, inexistente em nosso ordenamento jurídico. Revigoraram a Lei de Segurança Nacional, embolorada, inconstitucional e em desuso. Criaram a absurda tese de flagrante perpétuo ao prender o deputado Daniel Silveira. Tiraram das redes sociais ativistas e jornalistas que menoscabaram do STF, agindo como vítimas e juízes ao mesmo tempo. Isso tudo, amigos, cria jurisprudência! Vai ser aplicado por outros tribunais e juízes brasileiros. Não por acaso, os autores dessas teses, conquanto notórios juristas, não possuem histórico na magistratura, experiência anterior como juízes e a necessária prudência para entender que o Poder Judiciário é pacifista, contemporizador e, sobretudo, sereno.

Ataques institucionais.
Se for para considerar ataque às instituições o menoscabo de figuras públicas, estou querendo entender o que irão fazer com caras como Guilherme Boulos, João Dória, Ciro Gomes, e muitos outros desafetos de nosso presidente da república, que peregrinam nos meios de comunicação chamando Bolsonaro de assassino, genocida, louco, etc… Se não é possível ofender nas redes ao Ministro Alexandre de Moraes ou a seus pares, procuro entender porque, contra Bolsonaro, tudo pode. Ele é o único presidente do mundo que não pode nomear gente de sua confiança para… cargo de confiança. Ele é o único presidente do mundo que não tem controle sobre a atividade do seu gabinete de segurança institucional e seu serviço de inteligência, a ABIN. Ele não pode editar decretos, porque quando o faz é imediatamente manietado pelo STF. Em suma, nosso presidente é o único da história que é vítima de ataques sucessivos, midiáticos e judiciários, e que não pode se defender porque seu batalhão de choque vai preso ou é expulso do mundo virtual das redes sociais, ou tem seu canal de Youtube fechado, ou é processado com base na espúria Lei de Segurança Nacional.

Estranhos silêncios.
Estranho é ver, não a eloquência dos desafetos do presidente, mas os silêncios dessa tropa de formadores de opinião. Diante dos escândalos da Petrobrás e empreiteiras, não ouvi Chico Buarque e Caetano, os mais politizados dentre as celebridades, se manifestarem sobre assunto tão premente e atual. Preferem, como outros, falar do regime militar e das torturas lá dos distantes idos de 1964. Adélio Bispo foi visto frequentando o gabinete do então deputado Jean Willis. Depois, tenta matar Bolsonaro e Willis renuncia e foge para a Alemanha porque “teme por sua vida” (sic). Em seguida e no rastro da Vaza Jato se descobrem áudios de Willis com o deputado Davi Miranda, aliás seu suplente, aliás beneficiado assumindo o cargo de deputado quando da renúncia do titular, aliás “marido” do jornalista Glen Greenwald, o dono do site Intercept Brasil, especializado em mexericos virtuais e em receptar informações hackeadas.  E o que as conversas entre Willis e Davi Miranda resgatam? O primeiro cobrando dinheiro do segundo para viver na Europa. Aliás, cobrando do marido de Davi, o jornalista gringo, a quem ambos os interlocutores chamam carinhosamente de “GG”. O que se falou disso, desse escândalo? Nada. Estranhos silêncios.

O Dito pelo não dito.
“Há quatro características que um juiz deve possuir: escutar com cortesia, responder sabiamente, ponderar com prudência e decidir imparcialmente.” (Platão, filósofo grego).

Renato Zupo
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa página.

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Copyright © RENATO ZUPO 2014 / 2021 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido pela: