• BLOG ENTRETANTO •

RENATO ZUPO

RENATO ZUPO

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

6d821d1e 0a1c 4e00 9f2c 75913e966df9

Utilidade Pública

ENTRETANTO

O aeroporto Romeu Zema, de Araxá, foi muito bem construído e reformado recentemente. Possui torre de controle, amplo espaço para passageiros e visitantes, guichês (no plural) para check inn, lanchonete, isso além da terceira maior pista de pouso de Minas, só perdendo para os aeroportos da capital. Ou seja, sua pista é maior que as de Uberlândia, Uberaba, Montes Claros e de um monte de cidades muito mais populosas que Araxá. E o vi esta semana às moscas. Isso, amigo, é desperdício de dinheiro público e de parceiros que ajudaram na sua construção e reforma. Agora ali jaz uma edificação mal aproveitada e lúgubre de tão vazia de pessoas. Apesar de muito bem administrado, seu funcionamento depende de uma iniciativa privada que só pensa no próprio umbigo e em seus lucros. Lembro-me de dois vôos diários, ida e volta, todos os dias da semana, para BH e São Paulo. Na década de 1940 era o segundo aeroporto mais movimentado de Minas. Quando mudei para Araxá, em 2005, o governo municipal isentava a companhia aérea de impostos, garantia o pernoite da tripulação e com parcerias bancava também um número mínimo de poltronas ocupadas e pagas. Com isso nos assegurava vôos diretos e comodidade. Com uma rodovia mal cuidada por uma concessionária que ainda não disse a que veio e só duplica pistas nos postos de pedágio, a alternativa aérea se tornou mais do que nunca cômoda e segura para os araxaenses e habitantes de cidades vizinhas. É para vôos irem e virem superlotados como, aliás, já ocorreu. Passou da hora de se criarem alternativas para o funcionamento pleno de linhas aéreas regulares por aqui e a população deveria se mobilizar para isso.

Revolta social.
As pessoas se revoltam com penas brandas, criminosos postos em liberdade muito cedo, excesso de direitos concedidos a presos. Isso aqui e lá fora. Em um almoço no interior da Espanha com amigos, fui sabatinado por um grupo de mães de família: não conseguiam compreender como aqui no Brasil campeia a impunidade e tampouco conseguiam conceber viver em um país tão inseguro por conta da brandura das leis e da ineficiência do Estado em punir delinqüentes. Não que por lá não existam queixas. Surpreendi-me com o fato de que espanhóis também reclamam de justiça morosa e penas baixas. Mas, é claro, a impunidade naquela linda terra é bem menos expressiva que no Brasil. Nisso ganhamos longe e folgado da maioria dos países do mundo. É um triste recorde. Por falar em Espanha, certa vez determinei a oitiva de uma testemunha que estava presa por lá, condenada à uma pena de quatro anos de reclusão pelo crime de… falso testemunho (perjúrio). Aqui, esse delito seria resolvido nos juizados especiais e com pagamento de cestas básicas. Um jogador de futebol que já foi famoso, o zagueiro Breno, ficou preso quatro anos na Alemanha, preso mesmo, porque ateou fogo na própria casa para se beneficiar do valor do seguro do imóvel. Novamente, aqui a coisa se resolveria em pena semi-aberta, prestação de serviços comunitários, etc… Ainda assim há juristas idiotas, ou mal informados, ou mal intencionados, que advogam a tese de que “lá fora” as penas são verdadeiramente socializadoras e mais brandas. Besteira! Ou conhecem o mundo somente pela telinha da TV, ou são filósofos de botequim que não sabem do que falam. A pena é ressocializadora quando o cárcere é digno. Basta o poder público por a mão no bolso e administrar bem ao sistema prisional. Pagamos impostos altíssimos para isso.

Estranheza.
Quando votam, as mesmas pessoas que criticam a impunidade brasileira atiram no próprio pé e prejudicam seus ideais de justiça. É que escolhem e elegem candidatos com perfis moderninhos e protagonistas de discursos socialistas que, historicamente, tratam criminosos como doentes e abrem as portas das cadeias ao invés de reforçar suas grades e trancas. São eleitores que querem um bom churrasco, mas preparado por um vegetariano. As esquerdas precisam de criminosos nas ruas, votando, para se elegerem.

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa página.

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Copyright © RENATO ZUPO 2014 / 2021 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido pela: