• BLOG ENTRETANTO •

RENATO ZUPO

RENATO ZUPO

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

vencendo o medo mda 770x470

Tem mais

ENTRETANTO

Zeca Camargo apanhou um bocado ao questionar predileções musicais – fazendo parecer que está só em suas críticas. O defendi aqui mesmo nessa coluna, pelo fundamento do que disse e pelo direito de dizer o que pensa – ainda que com isso provoque a ira silenciosa ou ruidosa dos adoradores de camaros amarelos e gingados rurais. Minhas humildes palavras geraram uma profusão de mensagens de pessoas que se solidarizaram na repulsa aos novos ritmos que avultam na TV e nos shows. Gente de todas as classes sociais e cansada da repetição dos mesmos estilos musicais divulgados por gravadoras e repetidos à exaustão pelas mídias. A este respeito, um amigo me recomendou o blog de Régis Tadeu, crítico musical, músico, arranjador. Vejam bem, é a área do cara, ele é  músico, vive disso, e não só concorda comigo, mas ainda é mais duro em suas  opiniões. Afirma, dentre outras coisas, que o funk e  o sertanejo universitário encontraram seu público perfeito em boa parcela da juventude brasileira atual, formada por pessoas afoitas por emoções rápidas e desinteressadas em questionamentos mais poéticos e profundos, digamos assim, para suavizar a coisa. Ele não suaviza e vai além. Quem quiser conferir, vale a pena: o cara é blogueiro do bem e do Yahoo, e o nome do texto é \”a burrice reinante na música brasileira\”.  Irônico que o Régis também seja jurado do programa de auditório do Raul Gil – sinal de que mesmo dentro do popular há limites para a escatologia.

Limites da informação.
A discussão entre blogueiros, sertanejo universitário, Zeca Camargo e campanhas virulentas pró e contra esta ou aquela opinião, campeiam pela mídia e acendem uma antiga indagação. Na verdade, é quase uma ferida aberta e dolorida que se refere ao direito  à livre manifestação do pensamento e seus limites. Com a internet, a coisa ficou  séria porque todo mundo, burro ou inteligente, bem ou  mal intencionado, certo ou errado, pode se manifestar como bem entender – e isso alcança muitas vezes a honra e o bom nome das pessoas. Até que ponto podemos livremente nos manifestar? A legislação brasileira, mesmo através da rota e diluída  Lei de Imprensa, quase em desuso, e mesmo através da Constituição Federal, protegem a livre manifestação de pensamento e fazem mais: proíbem a censura prévia. Ou seja, o cidadão pode, mesmo, manifestar-se como bem entender, como uma extensão de seu livre arbítrio e de seus direitos de personalidade que encampam obviamente seu pensamento. Isso não quer dizer, contudo, que estejamos diante de um direito absoluto e insuperável, porque num estado democrático há sempre ponderações e contrapesos. As rédeas à liberdade de expressar-se residem na punição ao abuso desse direito: como na vida, tudo que é demais faz mal. Como na vida, prevalece o bom senso e o seu direito termina onde começa o do outro. Portanto, aquele que se expressa livremente responde pelos exageros que porventura ofendam a terceiros. Acho que é o justo. Fale o que quiser, mas prepare-se para as conseqüências disso.

Galvão Bueno.
Lendo a biografia de Galvão Bueno pude constatar que nem mesmo quem está no auge da fama e da fortuna e no pico da pirâmide social pode se sentir blindado do bullying cibernético e da difamação virtual. Ele conta que no início das transmissões da última Copa do Mundo lançaram na internet a campanha viral do \”Cala a boca Galvão\”, o que alcançou em cheio o sucesso das transmissões e o deixou sem dormir e aborrecido por alguns dias, até que resolveu troçar com a gozação e reverter o quadro. Mesmo assim, conta, passou por maus bocados. Um brasileiro inteligentíssimo como ele deveria saber que somos o único povo do mundo que joga tomates podres nos seus ídolos, fala mal de conterrâneos de sucesso e em geral despreza os famosos e bem sucedidos nacionais. Em qualquer outro país do mundo gente como Galvão, Xuxa, Pelé, Paulo Coelho, seriam fenômenos de aceitação popular. Por aqui falam que são chatos, questionam-lhes a vida sexual e o caráter e coisa muito pior, o que só é aguçado pela rede mundial de computadores. Como disse o próprio Galvão em sua biografia: \”A melhor coisa na internet é que todo mundo passou a ter a oportunidade de divulgar sua opinião. E a pior coisa na internet é que todo mundo passou a ter a oportunidade de divulgar sua opinião.\”

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa página.

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Copyright © RENATO ZUPO 2014 / 2021 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido pela: