• BLOG ENTRETANTO •

RENATO ZUPO

RENATO ZUPO

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

vip tem superpoderes

Superpoderes

ENTRETANTO

Amigo meu diz que tenho um superpoder idêntico ao dos heróis das histórias em quadrinhos: consiste em atrair chatos. E é impressionante. Em um bar lotado, se aparecer um bêbado daqueles bem constrangedores e incômodos, driblará um monte de gente e virá direto ao meu encontro. Desconhecidos inconvenientes nas ruas vêm imediatamente na minha direção, geralmente para entabular conversas desnecessárias e maçantes. Se tenho algum colega de trabalho chato, ou sou prevenido de que determinada pessoa é chata e poderá vir a me causar transtorno, a coisa toda não funciona como alerta, mas vaticínio, adivinhação. Com cem por cento de acerto a pessoa temida, de fato, me causará problemas. Já procurei diagnosticar as causas disso. Minha proverbial acessibilidade (converso com todo mundo), minha aparência tranqüila ou meu jeito de “paz e amor”, isso deve ajudar bastante a me manter alvo dessa gente incômoda que, na verdade, não possui qualquer defeito grave a não ser, é claro, o fato de sua chatice.

Ser chato.
Guilherme Figueiredo foi um escritor especialista em crônicas de costumes em meados do século passado. Uma espécie de antecessor do cracue Luiz Fernando Veríssimo. E escreveu o “Tratado Geral dos Chatos”, tentando identificá-los. Há, mesmo, diversos tipos de chatos, dos mais inofensivos àqueles perigosos. Os sabe-tudo, que conhecem e resolvem os problemas do mundo em papos de botequim. Os puxa-sacos, tão evidentes em sua canastrice e bajulação que o próprio bajulado foge léguas dele. O chato mitômano, ou mentiroso de carteirinha, que falseia por hábito os fatos mais banais do cotidiano O chato arroz-de-festa, que está em todas as colunas sociais, aparece em todas as festas e eventos, circula ruidosamente pelas multidões e convidados conversando abobrinhas e tentando, sem êxito, ser admitido nesta ou naquela rodinha, neste ou naquele grupo, inexoravelmente repelindo a todos com sua conversinha enjoada.

Os esquecidos. 
Lembrar de Guilherme Figueiredo e, depois, de Luiz Fernando Veríssimo, me rememora um monte de grandes autores que tivemos no século passado e que foram injustamente esquecidos pelas editoras, leitores, mídia. Mereciam ser reeditados com maior freqüência. Quem tem mais de quarenta anos haverá de lembrar deles, porque acompanharam nossa juventude e vida adulta, viraram tema de filmes e novelas, mas o tempo soterrou sua fama. A crítica nunca os considerou fora de série e acabou considerando sua obra “datada” – hoje fora de moda e inviável comercialmente. Refiro-me a caras como o próprio Figueiredo (citado), e o pai de Luiz Fernando Veríssimo, o grande Érico, para mim tão bom quanto Jorge Amado. Mas há muitos mais. Querem ver? Quem não se lembra de José Mauro de Vasconcelos, sertanista e escritor, que publicou “Meu pé de Laranja Lima”, best seller em várias línguas, novela de TV, etc…? Hoje esquecido, por esta e outras dezenas de maravilhosas obras. E o poeta JG de Araújo Jorge? Era o preferido das moçoilas e donas de casa da década de 1970, com uma produção romântica popular intensa de livretos em bancas de jornais e livrarias de todo o país. Um campeão de popularidade de seu tempo! E há os escritores “cabeça”: Oswaldo França Júnior, Ignácio de Loyola Brandão, Carlos Heitor Cony, caras que mereciam uma revisitação editorial caprichada e que o mercado, esse cruel juiz do destino das obras e dos homens, sepultou imerecidamente. De alguns escritores internacionais, então, ninguém mais fala: J.M.Simmel, Morris West, Hardold Robbins… Morreram, mas a obra permanece viva, pulsante, brilhante… e sem reedições a altura. Com isso perde o público, porque boa literatura não tem idade, não fica fora de moda, não perde nunca o poder de encantar o leitor.

Mercado Editorial.
É curioso o mercado editorial brasileiro. Já falei disso aqui. Até o ano passado nunca se venderam tantos livros no Brasil. Mas, curiosamente, nunca se leu tão pouco. Fecharam muitas livrarias, a cultura de nossos jovens está cada vez mais estagnada e aprisionada em redes sociais e informações instantâneas que não traduzem profundidade ou conhecimento algum. Como explicar a este estranho fenômeno? Parece que se compram livros para enfeitar estantes ou para presentear de última hora quem não haverá jamais de lê-los. E o que mais tem vendido é realidade, autoajuda, biografia, documentário. Perderam-se os leitores da ficção e dos romances, diante da crua realidade da vida moderna.

 

O dito pelo não dito.
“A obra clássica é um livro que todo mundo admira, mas que ninguém lê.” (Ernest Hemingway, escritor americano).

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa página.

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Copyright © RENATO ZUPO 2014 / 2021 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido pela: