• BLOG ENTRETANTO •

Renato Zupo

Renato Zupo

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

judge 2693939k 770x400

Pena máxima

ENTRETANTO

Francisco Rezek era Ministro do STF e foi julgar recurso em um processo por crime bárbaro, no qual fora assassinada inocente criança de tenros sete anos. A pena aplicada pelo juiz era a mínima, ou bem próxima dela, porque o réu era primário, possuidor de bons antecedentes, etc… Perplexo, Rezek indagou no próprio voto que proferiu: se aberrações como aquela mereciam penas mínimas, qual seria o crime capaz de gerar pena máxima perante os juízes brasileiros? Eu, magistrado há quase vinte anos, nunca vi pena máxima aplicada no país, e aí a indagação já é minha, e não do Ministro: se não é para aplicar pena máxima, porque não expurgá-la do Código Penal de uma vez por todas? Seria o caso, talvez, da nossa legislação adotar neste ponto o modelo norte americano, em que o juiz ao condenar fixa uma pena mínima em regime fechado e dali em diante é o condenado que poderá ou não ser solto e obter regalias conforme o seu comportamento. O modelo americano é pra frente, enquanto o brasileiro é pra trás. Enquanto juízes americanos aceleram, os magistrados brasileiros dão ré. Calma que eu explico.

Dosimetrias.
No Direito anglo-saxônico, mais especificamente no norte americano, o juiz ao condenar estipula um mínimo de tempo em que o condenado deverá, obrigatoriamente, permanecer no regime fechado. Em nenhum caso, em hipótese alguma, poderá ser menos que aquele período de tempo estipulado pelo juiz estadunidense, por mais que o réu sentenciado estude, trabalhe, tenha bom comportamento, ajude como coroinha nas missas de domingo e coisa e tal. Cumprido aquele período mínimo inicial, aí sim, doravante o que valerá para o condenado obter benefícios, livramento condicional (que por lá se chama \”probation\”, período de prova), será o bom comportamento e a aptidão para retornar ao meio livre. Num homicídio, por exemplo, em que o réu é condenado, ouvido o júri o juiz sentencia o acusado a no mínimo dez anos de reclusão. Sendo a pena máxima pelo delito, conforme o estado americano, de trinta anos ao todo, dos dez aos trinta anos o sentenciado irá obter regalias conforme o seu merecimento, aí sim, galgando etapas menos rigorosas no cumprimento da pena. Mas aqueles dez anos estipulados pelo magistrado americano tem que ser cumpridos integralmente na tranca. E no Direito Brasileiro? Acontece o contrário. No mesmo caso do homicídio, o juiz dá a pena base, sobre ela incidindo agravantes e atenuantes, até chegar à pena definitiva. Exemplificando: os mesmos dez anos de reclusão. Só que jamais serão dez anos. Com bom comportamento, cumprido um sexto da pena, vai o condenado para o regime semi-aberto e poderá trabalhar e estudar em cárcere de segurança mínima. Cumprido outro sexto, regime aberto, cabendo ao sentenciado somente dormir em um albergue durante a noite até que ao cabo de um terço da pena alcançará direito ao livramento condicional: daí em diante nem perto do xadrez ele irá passar, bastando que tenha uma vida honesta fora do regime carcerário – vida esta que ninguém, na prática, vai fiscalizar direito e com o rigor que a lei recomenda.  Ou seja, enquanto a pena americana imposta pelo juiz gringo só pode aumentar, aquela pena aplicada pelo juiz brasileiro tende, sempre, a diminuir. Por isso jamais será máxima, e não adianta que assim seja imposta, porque na prática jamais será cumprida. Coisas da legislação brasileira.

E o cumprimento da pena?
Ainda segundo nossas leis, é dos juízes das execuções penais a obrigação de fiscalizar o cumprimento das condenações, o bem estar dos presos, suas condições carcerárias, etc… Esforço hercúleo, porque o Estado não fornece estabelecimentos carcerários excelentes, tampouco infraestrutura suficiente para a recuperação social do cidadão em conflito com a lei. Sobra aos magistrados a tarefa de tirar leite de pedras. No resto do mundo não é assim, competindo às prefeituras e governos estaduais a gestão prisional. Seria o caso se de adotar esse modelo no Brasil? Não sei. Quando a idéia começa a me conquistar, recordo-me dos problemas inerentes à administração pública de hospitais e escolas, e chego à conclusão que, por enquanto, é melhor deixar como está – basta ao Estado melhorar as condições dos presídios e de seus agentes de segurança, remunerando-os e capacitando-os bem.

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta