• BLOG ENTRETANTO •

RENATO ZUPO

RENATO ZUPO

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

Ditadura militar no Brasil

O Sacerdote e o Feiticeiro

ENTRETANTO

Elio Gaspari estudou profundamente o período do regime militar brasileiro que retratou em sua quadrilogia \”O Sacerdote e o Feiticeiro\”, relato imperdível dos bastidores dos anos de chumbo daquilo que alguns chamam de revolução militar, outros de contra-revolução, e outros mais de golpe militar. O sacerdote do título é Ernesto Geisel, e o feiticeiro a grande eminência parda, o cérebro por detrás de todo o regime dos generais, o crânio que vaticinou que a abertura política deveria ser gradual, para que as coisas mudassem, mas não mudassem: Golbery do Couto e Silva. Tendo como pano de fundo a biografia destes dois personagens decisivos para a história brasileira, descobrimos que havia uma revolução dentro da revolução, uma linha mole e uma linha dura dentro dos quartéis, que contavam com apoio de polícias e milícias armadas que o então Ministro da Economia Delfim Neto chamava de \”tigrada\”. Delfim, aliás, foi o autor do milagre econômico brasileiro e ocupou o cargo máximo das finanças do país durante o governo do General Médici, quando mais crescemos: 9% ao ano, com pleno emprego e índices decrescentes de mortalidade infantil e analfabetismo. Mas como Médici prendia e arrebentava comunistas, passou para a posteridade como um torturador sanguinário. A função de Golbery e Geisel era primeiro engendrar um meio de evitar que o país fosse à bancarrota durante o desastroso governo João Goulart, livrando-o da aproximação com países de orientação socialista. Em um segundo momento e passada a ameaça do terrorismo comunista, devolver o Estado à sociedade civil e restituir a democracia plena através de um procedimento chamado de \”distensão\” política. Não deu certo e vivemos vinte anos sem eleições livres.

Distopia.
Há quem ache absurda a preocupação antiga dos militares com o comunismo, que jamais tomaria conta do Brasil. E há quem diga que os generais utilizaram o medo do socialismo como bandeira e mote para simplesmente tomar o poder e implementar a ditadura. Os dois argumentos são errados. Nosso país é continental e é certo que o bolchevismo jamais nos conquistaria pelo poder das armas e bombas, como aconteceu na ilha de Cuba. Mas poderíamos perfeitamente ter sido doutrinados através da teoria do filósofo marxista Antonio Gramski, que recomendava fossem conquistadas as cabeças dos professores de faculdade e jornalistas e, assim, de toda a juventude, pelo poder das ideias, fossem elas boas ou más. Assim o comunismo alcançaria Brasília e todo o nosso território, como ocorrido em outros dois países enormes: Rússia e China. E, é claro, morreria muita gente boa no meio do caminho. Quanto à predileção militar pelo poder, o que Gaspari e outros historiadores sérios e imparciais narram é que todos os generais presidentes morreram pobres, sem luxos, e receberam o galardão maior da república, que é a presidência, com reticências e a contragosto, exceção feita a Costa e Silva, um vaidoso cheio de empáfia. Geisel, por exemplo, só aceitou a presidência porque seu irmão Orlando, também General, morria de enfisema, e lamentou-se com um secretário particular: \”que vantagem é essa, ser presidente porque ninguém mais quer ser…\”. Era esse o Brasil daqueles tempos. Ou seja, ninguém queria ser ditador. A ditadura é que era necessária, tristemente necessária – ao menos na opinião dos generais.

E se fosse diferente?
E se os militares tivessem perdido? E se nos transformássemos em mais um país satélite soviético, como queria Eduardo Galeano, escritor uruguaio recentemente falecido? Ora, basta olhar para outros países que aceitaram o domínio do bolchevismo de Lênin e Stálin para se reconhecer que o modelo do país perfeito de economia estratificada e igualdade para todos jamais funcionou. Observem-se, por exemplo, os países do leste europeu, muito mais pobres do que o Brasil, ou Cuba que só agora \”acorda\” para o capitalismo, tarde demais e ainda nas mãos dos irmãos Castro. Se comunismo fosse bom, gente, não cairia o muro de Berlim, que dividia duas Alemanhas, a rica e próspera capitalista da oriental e comunista e tristemente paupérrima. E tem gente que ainda defende ideais socialistas, inclusive dizendo que\”socialismo não é comunismo\” – é aliás o que recomenda uma cartilha do que é politicamente correto encomendada por facções alfabetizadas do governo PT. E é uma mentira, não existe diferença entre socialismo e comunismo, são expressões sinônimas. Não há o\”socialismo moreno\”, como queria Leonel Brizola em seus delírios ufanistas. E, sobretudo, não há socialismo (ou comunismo) com democracia e liberdade. Pelos ideais marxistas se conquista o poder na bala, no piquete de porta de fábrica, no quebra-quebra ou vendendo ilusões populistas para os pobres de espírito e burros de cabeça.

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa página.

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Copyright © RENATO ZUPO 2014 / 2021 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido pela: