• BLOG ENTRETANTO •

Renato Zupo

Renato Zupo

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

o woman decision facebook e1551629435779

O que dizer?

ENTRETANTO

Acabou a novela. Vimos Dilma Roussef ser imolada. Foi vítima de seus próprios erros e não de conspirações, golpes ou preconceito. O Brasil estava preparado, sim, para ter uma mulher como Presidente da República, e há muitas delas capazes, que poderiam ter assumido o mais alto cargo da nação com muito mais competência e sucesso do que a Presidente cassada.

Então, não foi preconceito. O remédio constitucional para a destituição do presidente da república foi utilizado conforme manda nossa Lei Maior, o rito foi determinado pelo STF, que através de um de seus mais notáveis membros presidiu o julgamento histórico da cassação de Dilma. Muita gente irresponsável e sem nenhum compromisso com a estabilidade econômica e a paz social do país disse de uma pretensa anormalidade democrática, acusou a existência de um golpe de estado parlamentar, mas o que se viu nesses cento e alguns dias de afastamento da Presidente, antes de sua definitiva cassação, foi uma normalidade institucional acima de qualquer suspeita. Quem quis se manifestar se manifestou, quem quis fala falou. O debate foi franco e a imprensa foi e é livre, e este ou aquele grupo midiático se posicionou pró ou contra o impeachment como é comum ocorrer em qualquer democracia saudável do mundo.

Portanto, também não foi golpe, tampouco se atentou contra o estado democrático de Direito. Resta o quê? Perseguição política? Ora, o PT foi o mais poderoso partido do país por doze anos! Nunca ouvi dizer de perseguição a quem está no topo e é mais forte. Posso considerar facilmente o argumento de que a pessoa ou partido de maior projeção é mais visado, tem seus méritos e erros mais evidenciados. Mais aí o truque é um só: velar pela conduta e errar menos. É o que fazemos todos nós quando alcançamos uma determinada fase da vida em que descobrimos que podemos perder muito mais do que ganhar quando arriscamos, e que aqueles famosos cinco minutos de bobeira que passam pela vida da gente, a partir de um certo ponto de nossa trajetória devem ser ignorados porque há muitos que dependem de nós.

E Dilma tinha nos ombros mais de duzentos milhões de brasileiros, a quem prometeu respeitar e servir. Não fez nenhuma coisa e nem outra. Pensou em eleições o tempo todo. Viveu como a sombra de Lula e quando achou que tinha personalidade própria e tentou a reeleição descobriu que sempre foi um anão de jardim, um ventilador quebrado, alguém sem carisma e características capazes de atrair apelo popular, sem talento para resolver os problemas da sociedade. Porque Dilma Vanna Roussef é igual a muitos tecnólogos, engomadinhos, chatinhos, tecnocratas e burocratas que conheço muito bem, com os quais já trabalhei ao longo das décadas de carreira e que haverão de existir sempre, não importa a evolução do Estado ou da sociedade. Dilma não é uma pessoa de ação. Existe para funcionar opaca e nos bastidores e quando calha o azar de alcançar os holofotes do ápice de sua projeção acadêmica ou profissional, não sabe o que fazer e, tentando demonstrar iniciativa, faz mal feito. Creiam-me, ela não é uma pessoa má. Como todo títere, precisa de alguém para manipulá-la. Como todo teórico, nada sabe da prática. Pode ser honesta e se vai dizer que não roubou, mas permitiu a ruína de nossa mais poderosa estatal, corrompida pelos chulos que ela ali deixou que se instalassem. Dilma defendeu Zé Dirceu e os membros da quadrilha do mensalão! Dilma fechou os olhos aos escândalos da Petrobrás enquanto não soou por demais ridículo negar os fatos claríssimos que a imprensa e a justiça desvelavam. Dilma deu casas, bolsas, vagas em faculdade, conforme prometeu em campanha, sem se preocupar com o custo de seus presentes populistas. Como aquele pai de classe média que se individa para comprar o afeto dos filhos. Como aquele empresário que depende do clima, do banco, dos juros e do governo para quitar a folha de pagamento, e bate no peito e berra que resolve sozinho seus problemas e que não precisa de ninguém. Como o falastrão de botequim que minimiza suas fraquezas e barganha seus erros com empáfia, bravateando sobre vitórias que jamais vieram e inimigos que  jamais venceu.

Essa foi Dilma, e este é o seu réquiem.

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta