• BLOG ENTRETANTO •

RENATO ZUPO

RENATO ZUPO

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

jogos

O jogo no Brasil

ENTRETANTO

Desde que se acabou com o jogo, se fala em readmiti-lo, tamanha a estupidez do gesto de fechamento desta importante fonte de empregos e impostos no país. E sempre que se fala em liberar o jogo, em reabrir e criar cassinos, lá vem resistência de religiosos, políticos e da Dona TV Globo. Ao menor aceno de simpatia governamental com a reabertura de cassinos a Dona Globo cria personagens viciados em jogos e insere em plena novela das nove, faz matéria no Fantástico e ajuda a soterrar a iniciativa, sempre.  Acho uma imbecilidade sem precedentes permanecer coibindo o jogo no Brasil, porque é desnecessário e inviável: qualquer um com cartão de crédito internacional e acesso a sites de apostas joga o quanto quiser. Nos cassinos que conheci no exterior vi muitos jovens pagando sua faculdade através do  trabalho honesto como crupiês e garçons em casas de jogo. Trabalho digno, salário justo, o jovem brasileiro precisa é disso para começar a vida. Não há argumento possível para sustentar a proibição, quando o próprio governo cria raspadinhas, senas e lotos, e o jogo do bicho campeia solto. Só a população que não se favorece com o jogo. Está na hora de começar a desfrutar desta importante fonte de renda, incentivando o turismo e levando desenvolvimento a regiões inóspitas e pobres do país. É só lembrar de Las Vegas, criada no deserto de Nevada, das raras regiões que eram pobres nos EUA, e que para lá trouxe empregabilidade, desenvolvimento e lucros.

Hollywood e a política.
Quando esse pessoal do Showbiz, essas celebridades de cinema e Tv vazias de conteúdo,  vão aprender a parar de se meter em questões de Estado? O último artista a valer o voto na política foi Ronald Reagan, nas décadas de 80 e 90.  Que atores se preocupem com o próximo filme, bilheteria, diretor, lançamento, ou a marca de maquiagem que vão usar. Afinal, esquerda de baton, esquerda caviar é isso, fútil, frívola, superficial, mas com ímpetos de discutir política e falar besteira sobre o que não sabe. Leonardo Di Caprio é o retrato fiel da “new left” norte americana, a tropa de militantes mais à esquerda do partido democrata dos EUA. Celebridades que defendem a liberação das drogas, aplaudem Ongs e fazem propaganda antiarmamentista. Tá certo, são bandeiras que podem ser agitadas em países verdadeiramente democráticos. Só não se metam naquilo que não conhecem. Essas celebridades metidas a entrar na política se atualizam com notícias de fontes que nem sequer confirmam e que na verdade são suspeitas.  É  marxista informando marxista daquilo que julga ideal, da notícia formada, não da notícia verdadeira. Di Caprio defende as ONGS amazônicas e diz que Bolsonaro está equivocado ao imputar-lhes responsabilidades pelos incêndios em nossas florestas. Bem, se vocês assistem jornais, se leem notícias, viram um quarteto de ongueiros presos em Santarém/PA por atear fogo na mata para depois buscar donativos para combater o fogo… Foram soltos e agora se dizem injustiçados. Engraçado que um dos réus admite que pediam donativos mesmo, para praticar ações que seriam da competência do governo federal. Isso em bom Direito Penal é crime de usurpação de função pública, no mínimo. Outra coisa, se é ONG, se é não governamental, que se vire com fontes próprias de sustento, sem pedir esmolas ao povo ou aos governos.  Os ongueiros estão em apuros porque o dinheiro estatal parou de jorrar e então sobram as gambiarras e os donativos, que trabalhar que é bom, tem muita gente que não quer. É bom que as celebridades, de Hollywood ou bem mais próximas, escolham temáticas políticas mais sustentáveis para defender.

Amazônia e mundo.
A nossa Amazônia é tida e havida pelos países desenvolvidos como “patrimônio mundial”. Recentemente um ministro italiano (Sérgio Costa ) também o disse de idêntico modo em um seminário ambiental em Nápoles. Ele foi além, afirmando que as queimadas da Amazônia derretem geleiras do hemisfério norte, na velocidade e intensidade em que vem ocorrendo. Nosso Presidente, que não está nem aí pra isso, acabou de autorizar o plantio de cana de açúcar na Amazônia Brasileira. Ora, é claro que o ambientalismo e a ecologia devem, de fato, ser analisados como um todo. O que ocorre na nossa floresta afeta a calota polar, e o que ocorre em uma erupção do vulcão Vesúvio ou do Etna, na Itália, afeta nosso ecossistema brasileiro – mas ninguém espera que pretendamos as áreas vulcânicas italianas como nossas por isso, não é? Vazamentos de óleo em águas internacionais afetaram nossa biodiversidade litorânea e nem por isso estamos reivindicando mais espaço marítimo. Quando falamos de Amazônia, nos referimos a uma área sem comunicação rodoviária com os mais importantes centros políticos e culturais brasileiros e que está permeada de reservas indígenas, população ociosa e da ambição de outras nações. Ou seja, se não for ocupada e explorada, vai se despregar do território nacional. A natureza sempre se recompõe e a melhor maneira de cuidar de grandes espaços de florestas densas é povoá-las, o que só é economicamente possível com sua exploração, o que nunca quis dizer destruição de nossas reservas ambientais e ecológicas.

 

Renato Zupo
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa página.

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Copyright © RENATO ZUPO 2014 / 2021 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido pela: