• BLOG ENTRETANTO •

Renato Zupo

Renato Zupo

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

CdRfbSfWEAA0pHB e1551585295576

O Asno e as relíquias

ENTRETANTO

Há uma fábula de Esopo que narra a história do asno que carregava relíquias, acreditando que o adoravam quando, de fato, o povo que entoava cânticos e acendia incensos por onde o tolo asno passava estava louvando na verdade a carga preciosa transportada pelo quadrúpede. Alguém reparou no que ocorreu e lhe disse: “Senhor asninho, livre-se da vaidade. As homenagens não são para você, mas sim para o que carrega nas costas.” E Esopo conclui a Fábula: o mesmo acontece com alguns asnos togados: são respeitados pela toga e poder, e não por si mesmos.

Teorias sobre Teori.
A discussão sobre a morte do Ministro Teori Zavaski acende suspeitas de que seu trágico destino tenha sido obra de algum vilão preocupado com a operação lava jato, e não um acidente fatal. A boataria não é nova, já ocorreu na década de 1960 quando o presidente americano John Kennedy foi baleado por um comunista psicopata e vieram com teorias fantasiosas sobre uma conspiração soviética. Com nossos presidentes Juscelino Kubitsheck e João Goulart também ocorreu idêntica sina. O primeiro morto em um acidente rodoviário nos anos 1970 e justamente quando voltava ao Brasil, vindo do exílio, para combater o regime militar. O segundo ainda exilado em sua estância uruguaia, vítima de um ataque cardíaco, pouco tempo antes. Ambas as mortes, segundo os teóricos da conspiração, seriam tramas dos milicos: JK teria sido alvejado e a colisão rodoviária planejada para parecer acidente, e o coração de João Goulart, o Jango, parou por força de um veneno subreptício e não por problemas cardíacos. Não acredito em nada disso. Tudo pura balela. Teori e os demais faleceram vítimas de circunstâncias óbvias e plenamente divulgadas pela imprensa. Se partiram desta para melhor em momentos chave de sua vida e da nação, trata-se de pura coincidência. Em um dos meus romances, Verdugo, há um diálogo entre o anti-herói da narrativa, um detetive aposentado, e seu jovem colega de aventuras. Na conversa, o veterano policial explica que há coincidências de toda sorte ao longo da vida e que, na imensa maioria das vezes, as coincidências são o que são e nada há de suspeito nelas.

Voto facultativo.
Quase todo mundo considera o voto obrigatório um absurdo, um atraso irracional herdado da época do Brasil Colônia e que perdeu por completo a razão de ser nos democráticos tempos atuais. Pode ser e pode não ser. O voto é, de fato, um direito, e soa estranho que um direito seja imposto e não simplesmente exercido conforme o arbítrio de seu titular. No entanto, vejamos o exemplo recente da eleição do novo presidente americano, o magnata Donald Trump, via voto facultativo. Os republicanos conservadores foram todos votar rilhando dentes, com faca na boca e sangue no olho, porque queriam mudar os oito anos de governo de esquerda, que é como se definem os adversários democratas de Hillary Clinton por lá. Já esses mesmos democratas, como todo esquerdista caviar que se preza, aproveitaram o feriado eleitoral para um passeio, para discutir a relação e tomar um chope, e pelos bares da vida ficaram. E se elegeu Trump, que não era o representante da maioria dos eleitores durante as pesquisas de intenção de voto prévias à eleição, tampouco angariou a maioria dos votos absolutos após o término do embate eletivo. Mas conquistou o percentual necessário para desbancar a adversária e eleger-se o novo signatário da Casa Branca e se tornar o homem mais poderoso do mundo. Voto facultativo também dá nisso: nem sempre o preferido vence.

Ricos e pobres.
Meu amigo médico que não gosta de se identificar e que apelidei de Dr. House me contou certa vez de um diálogo com uma paciente. A mulher era pobrezinha e trabalhava em dois empregos para dar de comer à vasta prole. Reclamava de cansaço, mas batia no peito orgulhosa, porque era a única trabalhadora regularmente empregada em sua rua de bairro pobre de periferia. Todos os seus vizinhos paupérrimos desfrutavam do ócio às custas de programas sociais, seguro desemprego e pensões, e estavam satisfeitíssimos com isso. E arrematou com uma frase de impacto: “Doutor, no Brasil é rico que gosta de trabalhar!”

 

O dito pelo não dito.
“Entre os eruditos, os jurisconsultos ocupam o primeiro lugar, não havendo ninguém mais vaidoso que eles. Acumulam inumeráveis leis sobre assuntos sem importância alguma, acrescentando glosa sobre glosa, parecer sobre parecer, e dando a entender que seu estudo é o mais difícil de todos. Para eles, de fato, tudo o que apresenta dificuldade é meritório.” (Erasmo de Roterdam, O Elogio da Loucura).

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta