• BLOG ENTRETANTO •

Renato Zupo

Renato Zupo

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

153834051

Labirinto Jurídico

ENTRETANTO

Explicar para um leigo como funciona o sistema punitivo no Direito brasileiro nunca foi tão difícil. A lei já não é clara e seus aplicadores a complicam mais ainda. Em primeiro lugar, há a acusação, que norteia o processo penal. É o pedido condenatório formulado quase sempre pelo Ministério Público que irá fixar os limites daquilo que será discutido na ação penal. Geralmente o Promotor se embasa em um inquérito policial para formular a denúncia, que é o pedido de condenação do réu que, citado, vai se defender dos estritos termos da acusação. Significa dizer, se o MP afirma que Joaquim roubou, pouco importa se Joaquim é indigente ou abastado, se estava embriagado ou sob efeito de drogas, se é primário ou reincidente. O que importará na ação penal é descobrir se ele roubou ou não. E o ônus da prova disso é da acusação. Não só a certeza da inocência absolve o réu, mas a dúvida também o faz. Não fui eu quem o disse, mas um jurista italiano: a pena deve pesar não sobre o réu, mas sobre aquele que é certamente o réu, certamente e induvidosamente o culpado. Só com esta certeza absoluta, depois de colhidas as provas, o juiz poderá condenar. Mesmo assim, graças a um labirinto de normas e entendimentos e garantias constitucionais, não é isso que levará Joaquim, o nosso réu do exemplo, à punição. Essa condenação para valer deverá ser confirmada por um Tribunal Recursal, um colegiado de magistrados. Antes disso, não se pode falar em culpa dado o princípio constitucional da presunção da inocência. Mas a coisa não para aí: agora se discute no STF e nas mesas de bar que nem mesmo essa confirmação da condenação é suficiente. Seria imprescindível o esgotamento de todas as enormes e inúmeras plêiades recursais para que então, e só então, se pudesse considerar alguém culpado, condenando e punindo. Dá pra entender uma barafunda dessa?

O Processo Acusatório.

Para que um sujeito seja processado, lá no início da ação penal, é necessário um juízo prévio de culpa – só isso já difere este indivíduo de outros, não processados. Para que tome assento no banco dos réus, o sujeito já passou por inúmeros percalços: um policial militar que o flagrou dirigindo bêbado já colocou isso na ocorrência policial; um delegado ratificou este flagrante e depois indiciou o indivíduo por entender que, sim, ele dirigia bêbado ao volante; inquérito encaminhado ao Promotor, conferido pelo notável representante do Ministério Público, este já disse que, sim, o cidadão em questão cometeu crime ao dirigir bêbado – tanto que pede ao juiz sua condenação. Tudo isso torna o cidadão da nossa historinha bem diferente de alguém primário e dotado de bons antecedentes. Pode ser que seja inocente e que lá na frente, ao fim e ao cabo, se prove sua inocência. Isso é outra história. Mas suponhamos que após a denúncia e o processo, seja esse cidadão condenado. Convenhamos, é muito difícil que o policial militar que autuou o réu, o delegado que o indiciou, o promotor que o acusou e, por fim, o juiz que o condenou, estejam todos errados, e só o réu e sua defesa corretos. Ainda assim cabe recurso, e (novamente) suponhamos que nele ocorra o que quase sempre ocorre: confirma-se a condenação. Diante deste amplo cenário acusatório, deste raciocínio redundante de certeza da culpa, dizer que não há base segura para o cumprimento da pena e que é prematura a execução da condenação é um exagero que decorre do tal princípio da presunção de inocência. Em pouquíssimos países do mundo a sentença condenatória é insuficiente para impor a pena e, no Brasil, se exige de fato muito mais: confirmações e mais confirmações desta condenação por tribunais superiores.

Tardio castigo.
Após recursos e mais recursos, argumentos dialéticos pra cá e pra lá, uma tour interminável do processo pelos tribunais, advém a inexorável prescrição e, dela, a inevitável impunidade. É por isso que se briga pela efetividade jurisdicional: condenou-prendeu e absolveu-soltou. É o meu prognóstico e a minha cartilha. Quem quiser mais precaução, vá lá: a condenação tem que ser confirmada por um Tribunal. Tudo bem, é um raciocínio honesto, prudência e canja de galinha são sempre bons. Agora, ir além disso, entremear o processo em um caudaloso pântano recursal, um labirinto jurídico kafkiano, é impedir a punição do culpado. Vejo nisso a vontade oculta de fazer com que o Estado não funcione. A firme obsessão de sabotar a cidadania e fulminar mais ainda a credibilidade da justiça penal.
Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta