• BLOG ENTRETANTO •

Renato Zupo

Renato Zupo

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

gilmar mender Impeachment

Impeachment de Gilmar

ENTRETANTO
Todo detentor de cargo público de Estado e, portanto, representante dos poderes da República, pode sofrer afastamento constitucional, que é o impeachment. Não só presidentes da República. O problema quanto à possibilidade de impeachment do Ministro Gilmar Mendes, que muitos pedem, não é esse. É a ausência de justa causa para fazê-lo. Como muito se falou no caso de Dilma, não é possível afastar do poder alguém simplesmente porque não é simpático ou porque desempenha de maneira insatisfatória suas funções. Tá certo, Dilma quebrou o país, mas sequer foi processada criminalmente por isso. De Gilmar se diz que é seletivo em suas decisões, o que é uma inverdade. Quando erra ou acerta, o faz igualmente para todos os lados.  Também se diz que amealha ligações com políticos, dentre os quais seus processados, e é citado nominalmente o ex-governador mineiro Aécio Neves. Nunca se fez prova, contudo, de amizade íntima ou inimizade clara ou interesse econômico a vincular Gilmar aos seus réus, e somente isso tornaria a conduta dele improba e desonesta. E o momento de provar não é durante um processo de Impeachment. Acho Gilmar Mendes coerente e, sobretudo, corajoso: sua linha de raciocínio é a que menos muda, e quando seu entendimento muda ele fundamenta bem essa mudança. E não está nem aí para os seus (muitos) críticos. A cara dele pode ser feia, mas é uma só, diferente de outros…
Juristas e políticos.
A história de passeatas contra Ministros do Supremo é preocupante, mas explicável: quando o jurista se comporta como político, quando troca seu discurso dialético pela retórica populista, arrisca-se a ser tratado como político, o que, no Brasil, significa passeatas contrárias, execração pública, manifestações grosseiras de desapreço a homens públicos. O que acho interessante é como uma mudança de rumos faz enorme diferença, mesmo no Supremo Tribunal Federal. Com o Ministro Toffoli no comando dos trabalhos daquela mais alta corte de justiça, o Poder Judiciário é vinculado a crimes, ameaças, CPI do lava togas, etc… A situação, no entanto, era – senão de calmaria, isso não existe por aqui há vinte anos – ao menos de equilíbrio democrático e ordem institucional quando era a Ministra Carmem Lúcia a exercer o cargo de magistrada suprema do Brasil.
TSE e Fake News.
O Tribunal Superior Eleitoral também é responsável pela disciplina durante as campanhas eleitorais e não somente pela aplicação de leis e penas. E estabeleceu a possibilidade de impor sanções aos futuros candidatos às próximas eleições municipais que tenham a ousadia de criar ou divulgar informações falsas, as Fake News.  Isso, prestem atenção, no âmbito da Justiça Eleitoral, porque a divulgação de mentiras por qualquer meio ou mídia configura crime ou ilícito civil segundo a nossa legislação, e quando acarretar dano gera indenização, ao menos desde o último Código Civil em vigor desde 2002 (para mim, desde sempre). O que a justiça eleitoral irá disciplinar é a possibilidade de sanções obviamente eleitorais para aqueles autores e divulgadores de notícias falsas, punindo com a inelegibilidade e multas aos infratores. Acho que somente se deve ter cuidado com o que chamo de efeito colateral eleitoral: o correligionário do candidato apronta a confusão e o candidato paga por ela; ou o adversário político forja o fogo amigo, se finge vítima da notícia falsa e tenta incriminar seu concorrente. Nos dois casos, pode dar absolvição, mas dá trabalho sentar no banco dos réus. O cuidado para não se confundir o joio com o trigo, para não misturar alhos e bugalhos e se cometer uma injustiça deve ser redobrado.
Puro malte.
Encontrei outra expressão para odiar, ao lado de “política pública” e “empoderamento”, tudo sinal dos novos tempos politicamente corretos e culturalmente paupérrimos. É a expressão “puro malte”, acoplada por extrema ignorância às marcas de cerveja que se dizem premium e que produziriam hipoteticamente cervejas mais puras. Elas podem até ser mais gostosas, mas não será porque possuam “puro malte”, porque toda cerveja possui malte puro. Sem ele, a bebida gerada não seria cerveja. Toda cerveja é feita de malte. Seu nível de pureza não advém do malte extraído do grão, mas do tipo e da qualidade do cereal. O melhor malte é o extraído da cevada, e acho que é isso que essa legião de cervejeiros ignorantes quer dizer com “puro malte”, mas também é possível extrair malte do arroz, do centeio, do milho, e nem por isso o malte será menos puro. O que torna uma cerveja boa ou ruim é o seu “blend”, a qualidade de sua mistura de malte, lúpulo, água, levedura, etc… E há cervejas de malte de milho boas e de malte de cevada ruins. Para que se tenha uma ideia, durante a Copa 2014 no Brasil o jornal O Tempo descobriu alguns torcedores da Bélgica hospedados em Belo Horizonte. Foram pesquisar seus hábitos para uma reportagem e, sabedores da fama dos bons cervejeiros belgas, lhes perguntaram a melhor cerveja experimentada em terras brasileiras. A resposta: Antártica Sub Zero, que não é de “puro malte”, não é de malte de cevada, mas que lhes agradava ao paladar. Portanto, “puro malte” não existe, nem como conceito de boa cerveja.
dito pelo não dito.
“Se não puder convencê-los, confunda-os.” (Harry Truman, político e ex-presidente americano)

Renato Zupo
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta