• BLOG ENTRETANTO •

RENATO ZUPO

RENATO ZUPO

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

direitos humanos 1

Direitos Humanos

ENTRETANTO

Enganam-se aqueles que crêem que o Estado valorize os direitos humanos como forma de comprar votos ou de beneficiar vagabundos e criminosos. Não! O lugar de destaque ocupado pela humanística no Estado Moderno se deve à crítica histórica do passado recentíssimo de nossa civilização. Onde imperou a extrema miséria, o descaso e a covardia dos governantes com o seu povo, nas eras do Estado absolutista com poderes concentrados na soberania tirana de um só, ou do Estado demasiado liberal para compreender as desigualdades entre os indivíduos, é que surgiram os monstros e os regimes totalitários. Veja-se que Stálin e Hitler somente triunfaram porque, respectivamente, russos e alemães passavam fome e prostituíam suas esposas e filhas para sobreviver. É este clima de penúria e ódio que gera enormes abismos sociais e a eterna luta de classes prenunciada por Karl Marx e que fomenta uma outra espécie de ditadura, a do proletariado, situem-se seus mandantes à direita ou à esquerda do povo. O Estado, portanto, cuida de seu povo não porque seja bonzinho, mas visando sua própria sobrevivência. É para coibir a anarquia que contemos os potenciais revoltos dando-lhes um mínimo de dignidade social.

Direitos Humanos 2.
É importante frisar que os direitos humanos constituem exemplo firme de respeito ao próximo, e não se concebe pensamento cristão desprovido de alteridade, de visão do outro e de seus direitos, porque a se pensar de modo diverso estaríamos admitindo a fé cristã sem o seu dogma maior: o amor ao próximo. Mas não fiquemos metafísicos. Prendamo-nos à modernidade para explicar que também o capital, que rege os mercados, necessita da mínima segurança jurídica gerada pela aquisição e manutenção do poder aquisitivo das classes desfavorecidas para prosperar. O mercado precisa de consumidores! É curioso observar que onde mais há emprego e oportunidades, menos o crime e a desordem progridem. Onde o mercado se abre, abrem-se também as mentalidades e o pensamento flui solto. Quando a economia de uma nação fomenta uma educação de qualidade aberta aos mais humildes, o povo se solta e percebe as bizarrices demagógicas que os falsos pais dos pobres proclamam dos palanques políticos de ocasião.  A economia de mercado, nesta visão, foge daquele antigo mito do capitalismo selvagem para representar um empreendedorismo consciente e que não permite que o indivíduo seja manietado por teorias pretensamente sociais que somente embasam falsas democracias apegadas ao empobrecimento de todos e à concentração do poder nas mãos de burocratas travestidos de messias. Portanto, do ponto de vista meramente mercadológico, econômico, de mercado, os direitos humanos são um excelente negócio para a manutenção do stablishment, do sistema político e financeiro das nações.

Direitos Humanos (3).
È claro que existem exageros e falsos profetas. Em toda ciência ou atividade humana há. Chega a um ponto o assistencialismo estatal que o cidadão desaprende a andar com as próprias pernas e perde o instinto de sobrevivência, acostumando-se a viver paparicado por um Estado que tudo provê. O exagero na assistência social é um erro muito pior do que o desmazelo no trato com os socialmente vulneráveis. O Estado tudo provê, atualmente no país: dos exames pré-natais daqueles que ainda vão nascer até o funeral e o enterro dos que se foram. Pode não prover com qualidade, o que é outra história, mas provê. Mesmo diante de tanto auxílio estatal, há os que reclamam. Lembro-me de um processo que presidi, em que um pai morador da zona rural de determinado município ingressou em juízo exigindo do Prefeito que o ônibus escolar público, já naturalmente gratuito para ele, passasse exatamente na porta de sua casa, e não há míseros quinhentos metros de sua residência, como de fato ocorria. Obviamente indeferi seu pedido, porque seu filho graças a Deus não era cadeirante que não pudesse andar parcos quinhentos metros para apanhar o ônibus. Não contente, o cidadão queixou-se da decisão no site do CNJ, afirmando que \”um tal Renato Super\” estava impedindo seu filho de estudar! Como eu disse, há excessos que precisam ser combatidos, mas no geral é muito melhor e mais saudável, gostoso e honesto viver em uma pátria sob o pálio do respeito aos direitos humanos, que não é só o direito do outro, mas também o nosso, o de todos nós.

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa página.

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Copyright © RENATO ZUPO 2014 / 2021 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido pela: