• BLOG ENTRETANTO •

Renato Zupo

Renato Zupo

Magistrado • Escritor • Palestrante

NOSSAS REDES SOCIAIS

reforma luterana 1 1 e1551631936585

Barroco

ENTRETANTO

Sempre discuti muito a psicologia, que considero ciência incompleta. Por incrível que pareça e no entanto, das poucas sessões com psicólogo que fiz ao final de minha adolescência é que guardo uma indagação que jamais consegui responder ao longo da vida: por que alguém auto-suficiente, independente, precisa tanto assim da cumplicidade, do aplauso, da companhia do outro? Sinceramente, destas dicotomias e paradoxos é que sedimentamos nossa vida. Em um momento de festa, amamos bagunça e barulho e festejos e bebida. Quando cansados e loucos para dormir, extenuados após o árduo dia de trabalho, chamamos arruaceiro o vizinho que festeja, ligamos pra polícia, maldizemos a educação e os hábitos boêmios dos outros. Sei bem de boemia. Cresci em uma Belo Horizonte efervescente, dos barzinhos com música ao vivo, das boates, shows e barangas fáceis de pegar. Fui dos notívagos mais inveterados de minha época. As farras, no meu grupo de amigos, tinham que ter a minha participação, senão era voz corrente que seriam sem graça. O que eu aprontava de noite era notícia no dia seguinte, e no outro, e na semana inteira. No entanto, a solidão, o ressentimento, a timidez, sempre me acompanharam, me apavoraram como pragas auto-imunes, incuráveis. Consigo ficar sozinho na multidão, sabiam? Não é difícil para caras como eu, mas é assustador. Enrubesço-me com facilidade até hoje. Basta que o inesperado ou a raiva ou o embaraço batam-me à porta. É incontrolável. Tinha um amigo, o Gordo Estúpido (era assim que o chamávamos), que costumava dizer que detestava gente. Seu programa favorito era ouvir música isolado do mundo, acampar na Serra do Curral e assistir filmes antigos em fitas de VHS, de preferência muito Charlie Chaplin e terror \”B\”. Gostava de seus hábitos, compartilhava-os em sua maioria, mas não queria ser como ele e acreditava que encontraria meu nicho secreto, meu grupo de amigos especiais, meu espaço na história. Fui deixando o Gordo Estúpido para trás, ele que era nerd numa época em que ninguém conhecia essa palavra. Assim como não se conhecia o bullying, e como eu sofri com isso na escola e nos primeiros tempos, até aprender a dar porrada e a mandar os outros a merda e a fazer cara de mau. Adolescente que se preza tem que saber fazer cara de mau! Aprendi esta com um dos meus tios: faça cara de mau para não ter que ser mau de verdade, era o que ele dizia. Treinei muito na frente do espelho, eu que sempre fui inimigo da minha imagem, sempre me considerei feio ao longo da puberdade e início da vida adulta. Sou dos poucos caras que conheço que estão melhores depois dos quarenta do que estavam aos vinte ou trinta anos. A acne finalmente me abandonou e encontrei um ortodontista fantástico que me aprumou os dentes. Antes, era um Noel Rosa magrelo. Hoje sou um praticante de artes marciais  ficando careca. Prefiro o segundo modelo. O cigarro é que continua, uma praga. Tentei parar de fumar quando tinha trinta anos, em plena Copa do Mundo de 1998, mas aquela final em que o Zidane nos mandou pro espaço com Ronaldo Fenômeno tendo convulsões me fez voltar rapidinho ao tabaco. Depois, meu pai morreu, era 2006. Tinha um câncer que nos levará a todos, fumantes e ex-fumantes de muitos cigarros por dia. Assustei-me com aquilo e tentei de novo parar de fumar, mas acreditava piamente que a necessidade de cigarro diminuiria com o tempo, e não era verdade. Parar de fumar é matar um leão por dia e uma bela manhã eu esqueci de matar o leão da vez e voltei aos meus queridos Marlboro, o cigarro do cowboy que também morreu de câncer.  Os vícios estão aí para nos enfraquecer e para nos lembrar que não somos escravos da razão, como imaginava Kant, mas das emoções, como em Nietsche e Shopenhauer. Antes de tudo, somos escravos de nós mesmos, somos os nossos hábitos, as escapadelas, os absurdos, e os erros, enormes, incríveis, imperdoáveis erros, que se fosse possível voltar atrás no tempo voando ao redor da terra como o Super Homem do primeiro longa metragem, seria para desfazer o mau feito e a vergonha, porque não há nada mais constrangedor do que conviver com o erro. Felizes e fortes são os ignorantes e burros, que desconhecem o erro, ou fingem não conhecê-lo, e seu desconhecimento lhes serve como um lenitivo, uma carapaça blindada que lhes protege do mundo e de seus tropeços. Como ganhei desde cedo o dom – ou maldição – de enxergar muito bem a tudo ao meu redor, sofro muito com o que já fiz de errado. Recordo-me de tentar agradar e não conseguir, de acovardar-me diante de desafios, de negar o convívio às pessoas que verdadeiramente sempre me amaram, de não reconhecer meus limites, de não ser humilde com os humildes e de tentar ser melhor do que na verdade sou, um eterno aprendiz convivendo com os ensinamentos da vida, tanto aqueles que a gente compreende, quanto os outros, inumeráveis, tantos que nem conseguimos contá-los, e que são incompreensíveis. Pensando bem, os erros fazem parte de nós, e graças a eles é que somos o que somos. Eles nos forjam, assim como o sofrimento, e o importante é que os reconheçamos quando ocorrem, guardando-os em uma gaveta da estante de nossas memórias que só abrimos quando nos vêm e ideia idiota de que somos muito bons. Aí olhamos pro passado, reabrimos a gaveta das vergonhas, e nos apercebemos humanos, e é como se tudo voltasse ao normal.

 

Renato Zupo,
Magistrado e Escritor

Gostou? Então compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta